APLICABILIDADE DO ÍNDICE FORAME MAGNO EM CRÂNIOS HUMANOS DE INDIVÍDUOS DO NORDESTE BRASILEIRO

Andrezza Maria Carvalho Sousa Guerreiro, Maria Izabel Cardoso Bento, Ana Carolina de Melo Soares, Evelyne Pessoa Soriano, Patrícia Moreira Rabello, Larissa Chaves Cardoso Fernandes

Resumo


Introdução: O Índice Forame Magno (IFM) é um método secundário para o estabelecimento do sexo no processo de identificação humana. Objetivo: Averiguar a aplicabilidade do IFM para a determinação do sexo em uma amostra brasileira. Material e Método: Estudo cego e transversal, com amostra composta por 209 crânios pertencentes ao Centro de Estudos em Antropologia Forense da Faculdade de Odontologia de Pernambuco/Universidade de Pernambuco (CEAF/FOP/UPE). Com o uso de paquímetro digital de precisão, foram realizadas medidas correspondentes à largura e ao comprimento do forame magno, aplicando-as à fórmula IFM = largura/comprimento x 100. O sexo foi classificado de acordo com tabela de referência para o índice supracitado. Para a análise estatística utilizaram-se os testes T-Student e Qui-Quadrado de Pearson, com nível de significância de 5,0%. Resultados: Todas as variáveis quantitativas apresentaram diferenças estatisticamente significantes para os sexos (p<0,05), porém não houve discrepâncias entre os mesmos quanto à utilização do IFM (p=0,965). O acerto do IFM para o sexo masculino (99,1%), mas para o sexo feminino este método não classificou nenhum crânio corretamente. Conclusão: As dimensões do Forame Magno apresentaram dimorfismo sexual, porém o IFM não deve ser utilizado como metodologia para a determinação do sexo da amostra brasileira estudada.

Palavras-chave


Antropologia forense; Odontologia legal; Crânio; Forame magno

Texto completo:

PDF

Referências


Santos MJ, Mascarenhas MDM, Rodrigues MTP, Monteiro RA. Caracterização da violência sexual contra crianças e adolescentes na escola – Brasil, 2010-2014. Epidemiol Serv Saude. 2018; 27(2):1-10. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742018000200010.

Moraes Neto OL, Sousa SMG. O fenômeno da violência no Brasil e na América Latina: diversas abordagens teórico-metodológicas. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(9):2793-4. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017229.11492017.

Cordeiro R, Luz VG, Hennington EA, Martins ACA, Tófoli LF. A violência urbana é a maior causa de acidente de trabalho fatal no Brasil. Rev Saude Publica. 2017; 51(123):1-12. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051000296.

Almeida CA, Silva RHA, Paranhos LR. A importância da Odontologia na identificação post-mortem. Odont e Soci. 2010; 12(20):7-13.

Biancalana RC, Vieira MGDM, Figueiredo BMJ, Vicente SAF, Dezem TU, Silva RHA. Desastres em Massa: A Utilização do Protocolo de DVI da INTERPOL pela Odontologia Legal. Rev Bras Odontol Leg RBOL. 2015; 2(2):48-62. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v2i2.38.

Oliveira e Silva JTS. Antropologia Forense e Identificação Humana. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa. Porto; 2015. 81p. https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/5237/1/PPG_23498.pdf.

Castro JCBB. Antropometria óssea e identificação do sexo. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas. Piracicaba, SP; 2017. 69p. http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/322627/1/Castro_JoaoCesarBarbieriBedranDe_M.pdf.

Carneiro APC, Andrade LM, Fraga FJO, Duarte ML. Aplicação dos métodos de identificação humana post mortem no IML Estácio de Lima no período de janeiro de 2011 a dezembro de 2015. Perspec Medicina Legal Per Med. 2017; 4(1):1-11.

Daruge E, Daruge Júnior E, Francesquini Júnior L. Tratado de Odontologia Legal e Deontologia. Santos: Guanabara Koogan; 2017.

Cunha E. Considerações sobre a Antropologia Forense na atualidade. Rev Bras Odontol Leg RBOL. 2017; 4(2):110-117. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v4i2.133.

Chethan P, Prakash KG, Murlimanju BV, Prashanth KU, Prabhu LV, Saralaya VV, et al. Morphological Analysis and Morphometry of the Foramen Magnum: An Anatomical Investigation. Turkish Neurosurgery. 2012; 22(4):416-19. http://dx.doi.org/10.5137/1019-5149.JTN.4297-11.1.

Moore KL, Dalley AF, Agur AMR. Anatomia orientada para a clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2014.

Ferreira FV, Rosenberg B, Luz HP. The "Foramen Magnum" Index in Brazilians. Revista da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo. 1967; 5(4):297-302.

Chethan P, Prakash KG, Murlımanju BV, Prashanth KU, Prabhu LV, Saralaya VV, et al. Morphological Analysis and Morphometry of the Foramen Magnum: An Anatomical Investigation. Turkish Neurosurgery. 2012; 22(4):416-9. http://dx.doi.org/10.5137/1019-5149.JTN.4297-11.1.

Suazo GIC, Russo PP, Zavando MDA, Smith RL. Sexual dimorphism in the foramen magnum dimensions. Int. J. Morphol. 2009; 27(1): 21-23. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95022009000100003.

Cristiano M. Avaliação morfométrica de crânios humanos brasileiros por meio de três diferentes metodologias. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas. Piracicaba, SP; 2009. 120p.

Vanrell JP. Odontologia legal e antropologia forense. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2019.

França, GV. Medicina Legal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2017.

Galdames ICS, Russo PP, Matamala DAZ, Smith RL. Sexual Dimorphism in the Foramen Magnum Dimensions. Int. J. Morphol. 2009; 27(1):21-23. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95022009000100003.

Kanchan T, Gupta A, Krishan K. Craniometric Analysis of Foramen Magnum for Estimation of Sex. World Academy of Science, Engineering and Technology. 2013; 79(1):491-493.

Nayak G, Das SR. A morphometric study of foramen magnum. International Journal of Scientific Research. 2017; 6(6):31-32.

Kamath VG, Asif M, Shetty R, Avadhani R. Binary logistic regression analysis of foramen magnum dimensions for sex determination. Anat. Res. Int. 2015; 2015(1):1-9. http://dx.doi.org/10.1155/2015/459428.

Henríquez-Pino J, Cricenti SV, Didio LJA. Morfometría del foramen magno y su relación con el tipo de cráneo en individuos brasileños. Rev Chil Anat. 1995; 13(2):159-64.

Samara OA, Amarin JZ, Badran DH, Al-Khayat OW, Suradi HH, Shatarat AT, et al. Morphometric analysis of the foramen magnum. Int J Morphol. 2017; 35(4):1270-75. http://dx.doi.org/10.1227/01.NEU.0000363407.78399.BA.

Vinutha SP, Suresh V, Shubha R. Discriminant Function Analysis of Foramen Magnum Variables in South Indian Population: A Study of Computerised Tomographic Images. Anat Res Int. 2018; 26:2018:2056291. http://dx.doi.org/10.1155/2018/2056291.

Gruber P, Henneberg M, Böni T, Rühli FJ. Variability of human foramen magnum size. Anat Rec (Hoboken). 2009; 292(1):1713-9. http://dx.doi.org/10.1002/ar.21005.

Raikar NA, Meundi MA, David CM, Rao MD, Jogigowda SC. Sexual dimorphism in foramen magnum dimensions in the South Indian population: A digital submentovertex radiographic study. J Forensic Dent Sci. 2016; 8(3):180. http://dx.doi.org/10.4103/0975-1475.195104.

Raghavendra Babu YP, Kanchan T, Attiku Y, PN Dixit, Kotian MS. Sex estimation from foramen magnum dimensions in an Indian population. J Forensic Leg Med. 2012; 19(3):162-7. http://dx.doi.org/10.1016/j.jflm.2011.12.019.

Lopez-Capp TT, Rynn C, Wilkinson C, Paiva LAS, Michel-Crosato E, Biazevic MGH. Sexing the Cranium from the Foramen Magnum Using Discriminant Analysis in a Brazilian Sample. Braz Dent J. 2018; 29(6):592-8. http://dx.doi.org/10.1590/0103-6440201802087.

Madadin M, Menezes RG, Al Saif HS, Abu Alola H, Al Muhanna A, Gullenpet AH, et al. Morphometric evaluation of the foramen magnum for sex determination: A study from Saudi Arabia. J Forensic Leg Med. 2017; 46:66-71. http://dx.doi.org/10.1016/j.jflm.2017.01.001.

Seifert Z, Friedl L, Chaumoitre K, Brůžek J. Applicability and limitations of sex assessment based on foramen magnum. Forensic Sci Int. 2017; 271:126.e1-126.e9. http://dx.doi.org/10.1016/j.forsciint.2016.11.044.




DOI: http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v6i3.256

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 RBOL- Revista Brasileira de Odontologia Legal