ANÁLISE TEMPORAL DAS AGRESSÕES FÍSICAS CONTRA A MULHER SOB A PERSPECTIVA DA ODONTOLOGIA LEGAL NA CIDADE DE FORTALEZA, CEARÁ

Matheus Vasconcelos Jácome de Oliveira, Mateus Ramos Plutarco Lima, Gabriel Maia Silveira, Adriana de Moraes Correia, Maria Eneide Leitão de Almeida, Ana Karine Macedo Teixeira

Resumo


Introdução: A região de cabeça e pescoço é um dos sítios mais atingidos em casos de violência contra a mulher, fato que torna o odontolegista fundamental nas perícias de lesão corporal. O objetivo desse trabalho foi realizar uma análise temporal dos casos de agressão física contra as mulheres periciadas no serviço de Odontologia Forense da Perícia Forense do Estado do Ceará (PEFOCE) entre 2002 e 2017 e avaliar o impacto da lei Maria da Penha sobre as agressões físicas na região bucomaxilofacial. Metodologia: Tratou-se de um estudo quantitativo, longitudinal, do tipo série temporal. Foram coletados dados secundários, através dos laudos forenses emitidos pelos peritos odontolegistas da PEFOCE sede Fortaleza- CE no período de 2002 a 2017. Utilizou-se como ponto de corte para análise comparativa o ano de publicação da lei Maria da Penha. Resultados: Observou-se que a faixa etária de 30 e 59 anos foi a mais acometida e o (ex)companheiro o principal agressor. O local de maior ocorrência das agressões foi a via pública. Em 42% dos casos foram registradas agressões de gravidade leve, 86,3% dos laudos apontaram lesões por instrumento contundente e em 31% o tecido atingido foi apenas tecido mole. Observou-se uma mudança no perfil das agressões e um aumento das denuncias após a Lei Maria da Penha, que passaram a ser realizadas por mulheres mais velhas e apresentar menor gravidade das lesões. Conclusão: Dessa forma, sugere-se o impacto efetivo da Lei Maria da Penha, ao reduzir a gravidade das lesões localizadas na região bucomaxilofacial.

Palavras-chave


Violência contra a mulher; Odontologia legal; Traumatismos faciais

Texto completo:

PDF

Referências


Garbin CAS, Garbin AJI, Dossin AP, Dossi MO. Violência doméstica: análise das lesões em mulheres. Cad. Saúde Pública. 2006; 22(12):2567-73. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006001200007.

Brasil. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher e dá outras providências. Diário Oficial da União [Internet]. 2006 Ago. 08 [citado 2018 Jun 07]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm.

Velasco C, Caesar G, Reis T. Monitor da violência: Cresce o nº de mulheres vítimas de homicídio no Brasil; dados de feminicídio são subnotificados. G1 [Internet]. 2018 Mar. 07 [citado 2018 mai. 08]. Disponível em: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/cresce-n-de-mulheres-vitimas-de-homicidio-no-brasil-dados-de-feminicidio-sao-subnotificados.ghtml.

Carvalho JR, Oliveira VH. Pesquisa de condições socioeconômicas e violência doméstica e familiar contra a mulher: prevalência da violência doméstica e impacto nas novas gerações. 2016. [Internet]. 2017. [citado 2018 mar. 22]. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2017/11/violencia_domestica_trabalho_ago_17.pdf.

Casique LC, Furegato ARF. Violência contra mulheres: reflexões teóricas. Rev Latino-Am Enferm. 2006; 14(6):950-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000600018.

Dias IJ, Santiago BM. Violência de gênero contra a mulher: perfil de registros periciais da gerência executiva de Medicina e Odontologia Legal (GEMOL)–João Pessoa/PB. Rev bras ciênc saúde. 2014; 18(4):315-24. http://dx.doi.org/10.4034/RBCS.2014.18.04.06.

Campos CH. Desafios na implementação da Lei Maria da Penha. Revista Direito Gv. 2015; 11(2):391-406. http://dx.doi.org/10.1590/1808-2432201517.

Amaral LBM, Vasconcelos TB, Sá FE, Silva ASR, Macena RHM. Violência doméstica e a Lei Maria da Penha: perfil das agressões sofridas por mulheres abrigadas em unidade social de proteção. Estud Fem. 2016; 24(2):521-40. https://doi.org/10.1590/%25x

Brasil. Lei n.13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Diário Oficial da União [Internet]. 2015 Mar. 09. [acesso em 2018 mar. 11]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/L13104.htm.

Marques RC, Garcez RH, Piorski CR, Carvalho GL, De Azevedo JAP, Thomaz EBAF, Lopes FF. Danos bucomaxilofaciais em mulheres: registros do Instituto Médico Legal de São Luís, Maranhão - 2010 a 2013. Rev Pesq Saúde. 2016; 17(2):69-73.

Meneghel SN, Mueller B, Collaziol ME, Quadros MM. Repercussões da Lei Maria da Penha no enfrentamento da violência de gênero. Ciênc. Saúde Coletiva.2013;18(3):691-700. http://dx.doi.org/10.1590/S141381232013000300015.

Acosta DF, Gomes VL, Barlem EL. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. Rev Acta Paul Enferm. 2013; 26(6):547-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000600007.

Rezende EJC, Araújo TM, Moraes MAS, Santana JS da S, Radicchi R. Lesões buco-dentais em mulheres em situação de violência: um estudo piloto de casos periciados no IML de Belo Horizonte, MG. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(2):202-14. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2007000200008.

Yarid SD, Da Silva ML, Leal SD, Dos Santos PPN, Nery LPM. Abordagem odontológica perante a Lei Maria da Penha nos anos de 2006 a 2011. Full Dentistry In Science. 2014; 5(18):351-7.

Saliba O, Garbin CAS, Garbin AJI, Dossi AP. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev Saúde Pública. 2007; 41(3):472-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000300021.

Tornavoi DC, Galo R, Silva RHA. Conhecimento de profissionais de Odontologia sobre violência doméstica. RSBO. 2011; 8(1):54-9. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742016000100019.

Pimenta RMC, Matos FRRO, Silva M LCA, Rodrigues AAAO, Marques JAM, Musse JO. Levantamento de lesões na região bucomaxilofacial em vítimas de violência periciadas no Instituto Médico Legal(IML) de Feira de Santana-BA, entre 2007 e 2009. Arquivos em Odontologia. 2013; 49(4):154-61.

Ribas e Silva V, Terada ASSD, Silva RHA. A importância do conhecimento especializado do cirurgião-dentista nas equipes de perícia oficial do Brasil. RBOL. 2015; 2(1):68-90. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v4i3.170.

Brasil. Lei n.2.848, art. 129 de 7 de dezembro de 1940. Dispõe sobre Código Penal. Diário Oficial da União [internet]. 1940 Dez. 07. [acesso em 2018 mar. 11]. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm.

Pires GE, Gomes EM, Duarte AD Macedo AF. Violência interpessoal em vulneráveis e mulheres: perfil das vítimas e diagnóstico pericial das lesões maxilomandibulares. Oral Sciences. 2012; 4(1):10-17.

Garbin CAS, Rovida TAS, Garbin AJI, Saliba O, Dossi AP. A importância da descrição de lesões odontológicas nos laudos médico-legais. RPG Rev Pós Grad. 2008; 15(1):59-64. http://dx.doi.org/10.7308/aodontol/2013.49.4.01.

Dourado SM, Noronha CV. Marcas visíveis e invisíveis: danos ao rosto feminino em episódios de violência conjugal. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(9):2911-20. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015209.19012014.

Campos ML, Costas JF, Almeida SM, Delwing F, Furtado FMS, Lima NC. Análise de lesões orofaciais registradas no Instituto Médico-Legal de São Luís (MA), no período de 2011-2013. Rev Bras Odontol Leg RBOL. 2016; 3(2): 21-31. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v3i2.3.

Ferreira RM, Vasconcelos TB de, Moreira Filho RE, Macena RHM. Características de saúde de mulheres em situação de violência doméstica abrigadas em uma unidade de proteção estadual. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21(12):3937-46. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152112.09092015.

Soares EMG, Cavalcanti RR, Wanderley AEC, Souto RRFA, Lessa RM, Tenório Neto JF. Análise pericial das lesões situadas em cabeça e pescoço de mulheres vítimas de violência doméstica atendidas em um instituto médico legal de Maceió – AL. RBOL-Revista Brasileira de Odontologia Legal. 2018; 5(3):12-22. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v5i3.186.

Margarites AF, Meneghel SN, Ceccon RF. Feminicídios na cidade de Porto Alegre: Quantos são? Quem são? Rev Bras Epidemiol. 2017; 20(2):225-236. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201700020004.

Garcia MV, Ribeiro LA, Jorge MT, Pereira GR, Resende AP. Caracterização dos casos de violência contra a mulher atendidos em três serviços na cidade de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública 2008; 24(11):2551-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001100010.

De Castro TL, Tinoco RLR, Lima LNC, Costa LRS, Francesquini Júnior L, Daruge Júnior E. Violence against women: caracteristics of head and neck injuries. Rev Gaúch Odontol. 2017; 65(2):100-8. http://dx.doi.org/10.1590/1981-863720170002000013245.

Figueiredo MC, Cesar MO, Silva JP, Borba EMB. Prevalência de mulheres vítimas de violência no município de Porto Alegre e a influência de suas variáveis no âmbito odontológico. RFO UPF. 2012; 17(3):254-60.

Da Silva EN, Matos FRRO, Pimenta RMC, Rodrigues JLSA, Marques JAM, Musse JO, Paranhos LR. Epidemiological Profile and Characterization of Oral and Maxillofacial injuries in Women Victims of Interpersonal Violence. Int. J. Odontostomat. 2016; 10(1):11-16.

Vicenzi B, Nadal L, Fosquiera EC. Estudo retrospectivo de lesões do complexo maxilomandibular nos laudos do instituto médico-legal de Cascavel (Pr). RBOL-Revista Brasileira de Odontologia Legal. 2017; 4(2): 02-11. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v4i2.94.

Queiroz CS, Galo R, Flores MRP, Ortiz AG, Da Silva RHA. Avaliação penal de lesões dentais por peritos odontolegistas de Instituto Médico Legal – Brasil. Rev. Cubana de Estomatologia. 2018; 55(1).

Chiaperini A, Bérgamo AL, Bregagnolo LA, Bregagnolo JC, Watanabe MGC, Silva RHA. Danos bucomaxilofaciais em mulheres: registros do Instituto Médico-legal de Ribeirão Preto (SP), no período de 1998 a 2002. Rev. Odonto Ciênc. 2009; 24(1):71-6.

Sgarbi ACG, Almeida CAP, Daruge E, Daruge Junior E. Critérios de avaliação penal por juízes, peritos e especialistas em odontologia legal – Parte I: lesões dentais decorrentes de agressão. Rev Bras Odonto Leg - RBOL. 2017; 4(1):11-24. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v4i1.80.

Griebler CN, Borges JL. Violência Contra a Mulher: Perfil dos Envolvidos em Boletins de Ocorrência da Lei Maria da Penha. Psico. 2013; 44(2):215-25.




DOI: http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v6i3.251

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 RBOL- Revista Brasileira de Odontologia Legal