ANÁLISE DE LESÕES OROFACIAIS REGISTRADAS NO INSTITUTO MÉDICO-LEGAL DE SÃO LUÍS (MA), NO PERÍODO DE 2011-2013

Magda Lyce Rodrigues Campos, José Ferreira Costa, Salen Marchesi de Almeida, Fábio Delwing, Frederico Mamede Santos Furtado, Laíse Nascimento Correia Lima

Resumo


Introdução: Os traumas são causas comuns de morbidades e mortalidade da população mundial. Um dos mais prevalentes é o bucomaxilofacial, pois a face é uma região muito exposta e pouco protegida. Traumas faciais podem resultar em lesões de tecidos moles e fraturas ósseas, causando graves complicações e até danos irreversíveis, e seu autor deve ser enquadrado corretamente segundo a legislação brasileira. Objetivo: Analisar o perfil das vítimas, as causas, as características das lesões orofaciais, bem como o profissional responsável pela perícia e a classificação da lesão de acordo com o artigo 129 do Código Penal Brasileiro. Método: Foram analisados laudos emitidos por médicos e odontolegistas do Instituto Médico Legal da cidade de São Luís (MA), no ano de 2011 à 2013 de vítimas acometidas por lesões orofaciais. Resultados: Os resultados demonstraram que o sexo masculino foi o mais atingido (55,4%), a faixa etária mais envolvida foi 20-29 anos (40,3%), a etiologia principal foi agressão física (73,4%), a lesão mais frequente foi escoriação (25,3%) e a região mais acometida da face foi a orbitária (26%). O profissional que mais emitiu laudos foi o médico-legista (90,8%). Das lesões orofaciais qualificadas (39,8%), 23,0% resultaram em debilidade da função mastigatória, 4,5% em debilidade da função mastigatória e estética e 22,3% em deformidade permanente. Conclusão: Conclui-se que é grande o número de lesões orofaciais registradas no IML de São Luís e que essas lesões foram avaliadas mais criteriosamente pelo odontolegista, ressaltando-se, com isso, a fundamental atuação desse profissional nas perícias dessa natureza.

Palavras-chave


Odontologia Legal, traumatismos faciais, prova pericial

Texto completo:

PDF

Referências


Krug EG, Sharma GK, Lozano R. The global burden of injuries. Am J Public Health. 2000; 90:523-6. http://dx.doi.org/10.2105/AJPH.90.4.523.

Ministério da Saúde. DATASUS. Informações de Saúde. Epidemiológica e morbidade, 2013. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sih/cnv/er. Acesso em: 28 de outubro de 2014.

Camarini ET, Pavan AJ, Filho LI, Barbosa CEB. Estudo epidemiológico dos traumatismos bucomaxilofaciais na região metropolitana de Maringá-PR entre os anos de 1997 e 2003. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac. 2004; 4(2):131-5.

Mota VC, Aguiar EG, Dutra CEA. Levantamento sobre os atendimentos de trauma facial. RGO. 2001; 49(4):187-90.

Filho OLN, Valente C, Koslowski K. Etiologia e incidência das fraturas faciais: análise de 152 casos. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2012; 10(1): 117-23. http://dx.doi.org/10.5892/ruvrv.2012.101.117123.

Carvalho TBO, Cancian LRL, Marques CG,Piatto VB, Manigliam JV, Molina FD. Six years of facial trauma care: an epidemiological analysis of 355 cases. Braz J Otorhinolaryngol. 2010; 76(5): 565-74. http://dx.doi.org/10.1590/S1808-86942010000500006.

Conto F, Santos RS, Rodhen R, Nicolini IC. Levantamento epidemiológico das fraturas de face no hospital São Vicente de Paulo, Passo Fundo, RS. RFO UPF. 2003; 8(2): 80-84.

Nedel AP, Nedel F, Conceição L, Silva RHA, Lund RG. Prevalência de lesões corporais em região orofacial registrados no Instituto Médico Legal de Pelotas/RS. In: XIII Congresso de Iniciação Científica, 2009, Pelotas. XIII Congresso de Iniciação Científica, 2009.

Roselino LMR, Bregagnolo LA, Pardinho MABS, Chiaperini A, Bérgamo AL, Santi LN, et al. Danos buco-maxilo-faciais em homens da região de Ribeirão Preto (SP) entre 1988 e 2002. Odontologia, Ciência E Saúde – Revista do CROMG. 2009; 10(2):71-7.

Garbin CAS, Garbin AJI, Dossi AP, Dossi MO. Violência doméstica: análise de lesões em mulheres. Cad Saúde Pública. 2006; 22(12): 2567-73. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006001200007.

Rezende EJC, Araújo TM, Moraes MAS, Santana JSS, Radicchi R. Lesões buco-dentais em mulheres em situação de violência: um estudo piloto de casos periciados no IML de Belo Horizonte, MG. Rev Bras Epidemiol. 2007; 10(2): 202-14. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2007000200008.

Góes KKH, Ribeiro ED, Lima Júnior JL, Neto JMS. Avaliando os traumatismos dento-alveolare: revisão de literatura. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac. 2005; 5(1): 21-6.

Brasil. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Institui o Código Penal Brasileiro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm. Acesso em: 14 de março de 2014.

Nucci GS. Código Penal Comentado. 13 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

Lima RB. Curso de Processo Penal. Rio de Janeiro: Impetus, 2013.

Wulkan M, Parreira Jr JG, Botter DA. Epidemiologia do trauma facial. Rev Assoc Med Bras. 2005; 519(5): 290-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302005000500022.

Brasil JAC, Mousse JO. Caracterização da perícia odontolegal em Instituto Médico Legal do interior da Bahia. RBOL. 2015; 2(2): 35-47. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v2i2.37.

Mota JC. Violência contra a mulher praticada pelo parceiro íntimo: Estudo em um serviço de atenção especializado [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2004.

Chiaperini A, Bérgamo AL, Bregagnolo LA, Bregagnolo JC, Watanabe MGC, Silva RHA. Correlações presentes entre danos bucomaxilofaciais e lesões corporais em mulheres: uma revisão de literatura. Saúde, Ética & Justiça. 2008; 13(2): 72-8. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v13i2p72-78.

Silva CJP, Ferreira EF, Paula LPP, Naves MD, Gomes VE. Perfil dos traumas maxilofaciais em vítimas de violência interpessoal: uma análise retrospectiva dos casos registrados em um hospital público de Belo Horizonte (MG). Cad Saúde Colet. 2011; 19(1):33-40.

Brasil. Lei 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do Art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 08 ago 2006, p. 1.

Macedo JL, Camargo LM, Almeida PF, Rosa SC. Pefil epidemiológico do trauma de face dos pacientes atendidos no Pronto Socorro de um Hospital Público. Rev Col Bra Cir. 2008; 35(1): 9-13.

Souza-Filho FJ, Soares AJ, Gomes BPFA, Zaia AA, Ferraz CCR, Almeida JFA. Avaliação das injúrias dentárias observadas no Centro de Trauma Dental da Faculdade de Odontologia de Piracicaba – Unicamp. RFO. 2009; 14(2): 111-6.

Brasil. Decreto de Lei 5.081, de 24 de agosto de 1966. Regula o exercício da Odontologia. Diário Oficial da União, Brasília, 26 ago 1966, p. 9843.

Brasil. Decreto de Lei 12.030, de 17 de setembro de 2009. Dispõe sobre as perícias oficiais e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 18 set 2009, p. 1.

Leite MM, Amorim ACO, Gomes TD, Prado MM, Silva RF. A Importância da Atuação do Odontolegista no Processo de Identificação Humana de Vítimas de Desastre Aéreo. Rev Odontol Bras Central. 2011; 20(52): 52-58.

Silva RF, Daruge Junior E, Pereira SDR, Almeida SM, Oliveira RN. Identificação de cadáver carbonizado utilizando documentação odontológica. Rev Odonto Ciênc. 2008; 23(1):90-3.

Ribas-e-Silva V, Terada ASSD, Silva RHA. A importância do conhecimento especializado do cirurgião-dentista nas equipes de perícia oficial do brasil. RBOL. 2015; 2(1):68-90. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v2i1.22.




DOI: http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v3i2.3

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 RBOL- Revista Brasileira de Odontologia Legal