PROPOSTA DE TERMO DE CIÊNCIA PARA PLANEJAMENTO ESTÉTICO DO SORRISO

Beatriz Álvares Cabral de Barros, Denise Bolten Lucion Loreto, Karina das Chagas, André Alex Baldissera, Mário Marques Fernandes

Resumo


Pacientes buscam por tratamentos que restaurem não só fisiológica e mecanicamente, mas também esteticamente seus sorrisos. Entender a expectativa dos pacientes é de extrema importância para que o cirurgião-dentista desenvolva um plano de tratamento que não seja apenas saudável para os tecidos dentários, mas também esteticamente satisfatório. Neste relato de caso o planejamento estético do sorriso mostrou-se ferramenta importante para apresentar ao paciente as possibilidades e opções de tratamento que poderiam ser realizados com base nas condições iniciais. Além disso, facilita também, a comunicação antecipada com o paciente e o laboratório de prótese a respeito das possibilidades de procedimentos e tratamentos. Porém, ao apresentar o planejamento do sorriso é preciso que fique bastante claro para o paciente o que é que está sendo proposto: se uma forma de tratamento e seleção de procedimentos, ou um resultado específico. O presente relato de caso propôs o uso de um termo de ciência específico apenas para o planejamento do sorriso, abordando o que é esse planejamento, o que envolve e para que serve. O objetivo deste documento é esclarecer o paciente de que estes procedimentos fazem parte do planejamento do tratamento a ser empregado, para que compreenda que podem ocorrer alterações pelos mais diversos motivos (biológicos, funcionais, técnicos) e o resultado não necessariamente será idêntico àquele visualizado ou objetivado.

Palavras-chave


Odontologia legal; Estética dentária; Consentimento livre e esclarecido

Texto completo:

PDF

Referências


Spear FM, Kokich VG. A multidisciplinary approach to esthetic dentistry. Dent Clin North Am; 2007.51 p. 487–505. https://doi.org/10.1016/j.cden.2006.12.007.

Dzierzak J. Restoring the aging dentition. Curr Opin Cosmet Dent 1995;41-4.

Morley J. The role of cosmetic dentistry in restoring a youthful appearance. J Am Dent Assoc; 1999. 130:1166–72. https://doi.org/10.14219/jada.archive.1999.0370.

Machado MA, Flores MRP, Daruge Jr E, Silva, RHA. Procedimentos estéticos em Odontologia: orientações para uma prática clínica segura. Rev Dental Press Estét. 2014;11(2):90-7.

Calamia JR, Levine JB, Lipp M, Cisneros G, Wolff MS. Smile design and treatment planning with the help of comprehensive esthetic evaluation form. Dent Clin North Am. 2011; 55(2): 187-209 https://doi.org/10.1016/j.cden.2011.01.012.

Cardoso PC, Decurcio RA. Facetas: lentes de contato e fragmentos cerâmicos. 2. ed. Florianópolis: Editora Ponto, 2015.

Pittelli SD, Motta MV. A prestação obrigacional do dentista como obrigação de resultado: sistematização e análise crítica dos argumentos. Saúde, Ética & Justiça. 2012;17(1):26-9.

Oliveira MLL. Responsabilidade civil odontológica. Belo Horizonte: Editora Del Rey, 2000.

Calvielli ITP. O código de defesa do consumidor e o cirurgião-dentista como prestador de serviços. In: Silva M. Compêndio de Odontologia Legal. São Paulo: Editora Medsi, 1997. P. 389-97.

Lopes EF, Ferrer KJN, Almeida MHC; Almeida RC. Ortodontia como atividade de meio ou resultado? R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, 2008; 13(6), p. 38-42.

Castro JC, Daruge Jr E, Francesquini Jr L, Schmidt CM, Ulbricht V. Tratamento odontológico estético: obrigação de resultado? Cadernos de Direito, Piracicaba, 2016; 16(30): 429-50. http://dx.doi.org/10.15600/2238-1228/cd.v16n30p429-450.

Goodlin R. Photographic- assisted diagnosis and treatment planning. Det Clin North Am. 2011;55(2): 211-27. https://doi.org/10.1016/j.cden.2011.02.001.

McLaren EA, Garber DA, Figueira J. The Photoshop Smile Design technique. Part 1: Digital dental photography. Compend Contin Educ Dent. 2013; 34(10): 772-6.

Daruge E, Daruge Jr E, Francesquini Jr L. Tratado de odontologia legal e deontologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2017.

Rodrigues LG, Souza J B, Prado M M, Reges RV, Silva RF. Importância clínica, ética e legal das informações prestadas ao paciente no pós-tratamento restaurador. J Clin Dent Res. 2016; 13(2):60-8. http://dx.doi.org/10.14436/ 2447-911x.13.2.060-068.oar.

Rodrigues LG, Souza JB, Torres EM, Silva RF. Screening the use of informed consent forms prior to procedures involving operative dentistry: ethical aspects. J Dent Res Dent Clin Dent Prospects. 2017; 11(1):66–70. https://doi.org/10.15171/joddd.2017.013.

Leclercq WKG, Keulers BJ, Scheltinga MRM, Spauwen PHM, Van Der Wilt GJ. A Review of Surgical Informed Consent: Past, Present, and Future. A Quest to Help Patients Make Better Decisions. World J Surg. 2010; 34:1406-15. https://doi.org/10.1007/s00268-010-0542-0.

Davis NC. Smile Design. Dental Clinics Of North America. 2007; 51(2):299-318. Elsevier BV. https://doi.org/10.1016/j.cden.2006.12.006.

Robinson FGL, Chamerlain JA. Maskin technique of cast for diagnostic waxing of labial veneers. J Prosthet Dent. 2007; 97(1); 56-7. https://doi.org/10.1016/j.prosdent.2006.10.011.

Magne P, Belser UC. Novel porcelain laminate preparatiom approach driven by diagnostic mock-up. J Esthet Restor Dent. 2004; 16(1): 7-16; 17-8. https://doi.org/10.1111/j.1708-8240.2004.tb00445.x.

Decurcio RA, Cardoso PC, Rodrigues DC, Corrêa EJB, Borges GJ, Sulaimen AMM. O uso do mock-up na otimização e precisão do resultado da cirurgia plástica periodontal. Clín – Int Braz Dent. 2012; 8(1):74-85.

Finn MI. Aspectos fundamentales de la responsabilidade civil alemana em el ámbito de la cirurgía estética. Revista Chilena de Derecho Privado, 2015; 25(12):55-75.

Brasil. Lei n. 8078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Cap. V, Seção III, Art. 30.

Brasil. Conselho Federal de Odontologia. Código de Ética Odontológica. Resolução CFO-118, de 11 de maio de 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v5i3.207

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 RBOL- Revista Brasileira de Odontologia Legal