ANÁLISE DAS LESÕES DENTAIS NOS LAUDOS PERICIAIS PRODUZIDOS PELO NÚCLEO DE MEDICINA E ODONTOLOGIA LEGAL DA PARAÍBA, BRASIL.

Mara Ilka Holanda de Medeiros Batista, Alessandra Albuquerque Tavares Carvalho, Patricia Mariano Leite de Castro Arruda, Maria do Socorro Dantas de Araújo, Bianca Oliveira Tôrres, Patricia Moreira Rabello

Resumo


Este estudo tem como objetivo estudar as lesões dentais nos laudos de lesão corporal do Núcleo de Medicina e Odontologia Legal do Instituto de Polícia Científica na cidade de João Pessoa-PB. Trata-se de uma pesquisa documental e descritiva com abordagem quantitativa que utilizou dados secundários da Instituição responsável pelos laudos traumatológicos de vítimas com lesões dentais. A amostra foi composta por 185 laudos nos anos de 2012 a 2014. Os resultados revelaram maior frequência do sexo masculino e a faixa etária entre 18 e 27 anos. A violência em acidentes terrestres foi o agente etiológico mais frequente (47%). A maioria das vítimas teve perdas de incisivos (84,3%). A avaliação do dano de acordo com o Art.129 do Código Penal Brasileiro mostrou que 44,9% dos casos analisados foram considerados com debilidade permanente, apenas 0,5% dos casos tinham incapacidade para as ocupações habituais por mais de 30 dias e 40,5% causaram deformidade às vítimas periciadas. Conclui-se que nos laudos de lesões dentais do NUMOL – PB existem distorções entre o que foi encontrado no exame físico e nas respostas aos quesitos, o que pode remeter à uma formação técnica deficitária ou falta de calibração entre os peritos que avaliam as lesões dentais.

Palavras-chave


Odontologia legal; Traumatologia; Traumatismos dentários

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS. Informações de Saúde. Estatísticas vitais, 2014. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/ext10PB.def. Acesso em: 19 de Janeiro de 2017.

Sgarbi ACG, Almeida CAP, Daruge E, Daruge Junior E. Critérios de avaliação penal por juízes, peritos e especialistas em Odontologia Legal – parte I: lesões dentais decorrentes de agressão. Rev Bras Odontol Legal RBOL. 2017; 4(1):11-24. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v4i1.80.

Barbieri AA. Ocorrência de lesões faciais com envolvimento dentário observado junto aos exames de corpo de delito realizados no IML-Taubaté, SP. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Odontologia da Universidade Estadual de Campinas. Piracicaba, SP; 2009. 52p. http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000439459&fd=y.

Mota VC, Aguiar EG, Dutra CEA. Levantamento sobre os atendimentos de trauma facial. Rev Gaucha Odontol RGO. 2001; 49(4):187-90.

Marques JAM, Musse JO, Musse Neto J, Camanho EDL, Rosário HD, Paranhos, LR. Aspectos legais das perícias ocupacionais em Odontologia. RFO Passo Fundo. 2013; 18(2): 230-234. http://dx.doi.org/10.5335/rfo.v18i2.3472.

Brasil. Lei nº 2.848 de 7 de dezembro de 1940, Código Penal Brasileiro, 1940. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-2848-7-dezembro-1940-412868-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 05 de março de 2017.

Nucci GS. Código Penal Comentado. 13 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais; 2013.

Silva RF, Prado MM, Garcia RR, Daruge Junior E, Daruge E. Atuação profissional do cirurgião-dentista diante da Lei Maria da Penha. RSBO. 2010;7(1):110-6.

Garbin CAS, Rovida TAS, Garbin AJI, Saliba O, Dossi AP. A importância da descrição de lesões odontológicas nos laudos médico-legais. Rev Pós-Grad RPG. 2008;15(1):59-64. http://dx.doi.org/10.7308/aodontol/2013.49.4.01.

Roselino LMR, Bregagnolo LA, Pardinho MABS, Chiaperini A, Bérgamo AL, De Santi LN, et al. Danos bucomaxilofaciais em homens da região de Ribeirão Preto (SP) entre 1998 e 2002. Odontologia, Ciência e Saúde - Revista do CROMG, 2009; 10(2):71-77.

Sanabe ME, Cavalcante LB, Coldebella CR, Abreu-e-Lima FCB. Urgências em traumatismos dentários: classificação, características e procedimentos. Rev Paul Pediatr. 2009; 27(4):447-51.

Campos MLR, Costa JF, Almeida SM, Delwig F, Furtado FMS, Lima LNC. Análise de lesões orofaciais registradas no Instituto Médico-legal de São Luís (MA), no período de 2011-2013. Rev Bras Odontol Legal RBOL. 2016; 3(2):21-31. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v3i2.3.

Silva OMP, Panhoca L, Bachman IT. Traumatismos Faciais causados pela violência ocorrida na cidade de São Paulo, ao longo do Século XX. Rev Odontol UNESP. 2003; 32(2):81-85.

Castro RJS. Violência no namoro entre adolescentes do Recife: em busca de sentidos. Dissertação (Mestrado). Fundação Oswaldo Cruz. Recife, PE; 2009. 119p. http://www.cpqam.fiocruz.br/bibpdf/2009castro-rjs.pdf.

Santos MS, Almeida TF, Silva RA. Traumas faciais: perfil epidemiológico com ênfase nas características sociais e demográficas e características da lesão, Salvador, BA, 2008. Rev Baiana de Saúde Pública. 2013;37(4):1003-14.

Jorge TM, Bassi AKZ, Yarid SD, Silva HM, Silva RPR, Caldana ML, Bastos JRM. Relação entre perdas dentárias e queixas de mastigação, deglutição e fala em indivíduos adultos. Revista CEFAC, 2009; 11(3), 391-7.

Alves NC, Gonçalves HHSB. Avaliação das causas da perda dentária, dificuldades e expectativas dos pacientes em relação à prótese total. J Bras Clin Odontol Integr JBC. 2003; 7(37):50-4.

Fernandes MM, Bouchardet FCH, Delwig F, Tinoco RLR, Daruge Junior E, Oliveira RN. Valoração do dano estético odontológico utilizando três métodos: relato de caso pericial civil. Rev Bras Odontol Legal RBOL. 2016; 3(1):84-94. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v3i1.48.

Ribas-e-Silva V, Terada ASSD, Silva RHA. A importância do conhecimento especializado do cirurgião-dentista nas equipes de perícia oficial do Brasil. Rev Bras Odontol Legal RBOL. 2015; 2(1):68-90. http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v2i1.22.




DOI: http://dx.doi.org/10.21117/rbol.v5i1.114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 RBOL- Revista Brasileira de Odontologia Legal